Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Technicolor

por MC, em 27.11.16

Ficou gravado em Technicolor na minha memória o dia em que, pela primeira vez, vi um filme “a sério”- sem ser de desenhos animados – num écran de cinema. Não me lembro que filme era, mas recordo a imponência solene da sala, os lustrosos cadeirões de veludo, a luz suave dos apliques a derramar sombras oblíquas nas paredes altas.

De todas as grandezas que esmagavam a minha pequenez, as cores do filme assoberbaram-me de admiração e curiosidade por toda a eternidade da infância. Durante muito, muito tempo, acreditei que a noite tinha uma cor diferente nos outros países, lá longe, onde os filmes e os sonhos eram feitos.

Quando, poucos anos mais tarde, atravessei a fronteira pela primeira vez na vida para ir a Sevilha - grande cliché, eu sei – rezei fervorosamente para que se fizesse noite antes do regresso, mortinha que estava para apurar se a noite espanhola teria mesmo aquele azul anil e vibrante dos filmes do Condes. Não tinha.

Fiz a viagem de regresso pensativa e sorumbática, no banco de trás do Vauxhall do tio Francisco, rodeada de risos fáceis e caramelos de piñones, a rever evidências e a cismar no meu estrondoso falhanço teórico. Acordei, dormente e babada, à porta de casa. A aragem fresca da madrugada borrifou-me de espertina e lucidez.

Aninhada já na realidade imutável dos lençóis, consegui mesmo rir-me de mim própria, da minha patetice crédula de miúda simplória. Era óbvio - ÓBVIO – que a noite em Espanha não seria diferente da portuguesa: pois então não se vê logo que a Espanha é mesmo ao lado, estamos aqui coladinhos, na mesma península? Pois não é clarinho como água que a Espanha não conta?

E lá consegui acarinhar o sonho durante mais algum tempo, antes de voltar a embater de frente, uma e outra vez, com o meridiano da realidade. Ainda hoje - tantos anos depois - me sucede, por vezes, naqueles momentos de torpor mágico a seguir a um bom filme, de acreditar que sim senhor, as coisas são tal e qual como nos mostram.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:47


6 comentários

Sem imagem de perfil

De Paulo Vasco Pereira a 27.11.2016 às 23:28

Delicioso momento.
Imagem de perfil

De MC a 28.11.2016 às 22:33


Obrigada, caro Paulo.
Sem imagem de perfil

De Helena Andrade a 30.11.2016 às 15:18

Tão bom!
Sem imagem de perfil

De Susana Rodrigues a 09.12.2016 às 21:24

É tão bom estacionar aqui e deleitar-me a lê-la.

Um abraço, MC. E obrigada.
Imagem de perfil

De MC a 10.12.2016 às 16:31


Eu é que agradeço a generosidade das suas palavras, Susana.
Grande beijoca. :)

Comentar post



Este estendal é meramente um exercício de egocentrismo. É a roupa que eu estendo, quando calha.

foto do autor


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D